A matéria foi publicada pelo editor do GipsyTeam da Espanha: Ivan Hoozh Schvintt.

No dia 22 de novembro de 1998, o lendário jogador de pôquer Stu Ungar, conhecido por suas incríveis vitórias no Evento Principal da World Series of Poker, foi encontrado sem vida no quarto 16 do icônico motel Oasis em Las Vegas. Apesar de ter acumulado uma fortuna de aproximadamente US$ 30 milhões ao longo de sua carreira, Stu faleceu em meio a dívidas e seus amigos tiveram que organizar uma arrecadação para cobrir as despesas do funeral. A autópsia revelou a presença de cocaína e metadona em seu sistema, mas a causa oficial de sua morte foi uma parada cardíaca.

No dia 26 de novembro, 250 pessoas compareceram ao funeral de Stu, incluindo renomados jogadores de pôquer como Doyle Brunson e Puggy Pearson. Durante a cerimônia, sua filha de 14 anos, Stefanie, e seu amigo Mike Sexton, foram os responsáveis por emocionantes discursos de despedida. Mike afirmou: "Vamos perdoar Stuey por suas fraquezas e problemas com drogas. E vamos lembrá-lo pelo que ele foi: o melhor jogador que já sentou no feltro verde".

No mês passado, 22 de novembro, a morte de uma das maiores lendas do poker completou 24 anos. Sua biografia foi publicada na New York Magazine e nós trouxemos essa história incrível para vocês.

Leia

Em 2005, a biografia "One of a Kind: A ascensão e queda de Stu Ungar, o maior jogador de pôquer do mundo" foi publicada. O livro, escrito por Peter Alson e Nolan Dalla, contou com entrevistas realizadas com Stu nos anos de 1997 e 1998. Além dos autores, a ex-companheira de Stu, Madeline, sua filha Stefanie e Mike Sexton, que escreveu o prólogo, também contribuíram para a obra.

Entramos em contato com os dois autores para conhecermos mais sobre a inspiração por trás da biografia, o processo de escrita, a repercussão que o livro teve e como eles se lembram de Stu, 25 anos após sua partida.

Entrevista com Peter Alson e Nolan Dalla

GipsyTeam : — Como surgiu a ideia de escrever a biografia?

Nolan : — De 1994 a 2001 fui colunista regular da revista Card Player e muitos dos colunistas tinham livros de estratégia. Mas o que sempre me interessou no jogo foram as pessoas e especialmente os indivíduos excêntricos, que foram uma grande parte do poker nos seus primeiros anos. Decidi que, se escrevesse meu primeiro livro, seria uma narrativa sobre pessoas ou pelo menos alguém interessante, da mesma forma que Al Alvarez e Tony Holden escreveram seus livros magistrais 10 anos antes. Ungar foi um jogador quase esquecido em 1995 e 96, então a ideia de fazer algo com ele, que também não era confiável devido aos seus maus hábitos, seria impensável.
Então, quando ele venceu o Main Event de 1997 e eu estive lá o tempo todo conversando com as pessoas e até com ele parte do tempo, isso criou uma tempestade perfeita de oportunidades. Infelizmente, demorou mais 8 anos para publicar o livro. Escrever o livro foi uma história quase tão interessante quanto o próprio livro.

GT : — Como foi o processo de escrita?

Nolan : — Eu me encontrei com o Stu diversas vezes e também descobri que ele ficava melhor quando estava com os amigos, então Mike e eu o levamos para a casa do Puggy Pearson. Saíamos com Billy Baxter e quando Ungar estava com seus amigos ele dizia coisas e lembrava de histórias. Uma dica para escritores, principalmente biógrafos, é levar o assunto para um espaço onde eles se sintam confortáveis ​​e possam se motivar a contar mais histórias. A única coisa que me arrependo agora é não entrevistá-lo mais a fundo e sair mais com ele, mas ninguém sabia que ele morreria bem no meio do projeto.

GT : — Como você convenceu Stu a escrever um livro sobre a vida dele?

Nolan : — Inicialmente, quando o abordei depois que ele ganhou em 97, Stu não se importou nem um pouco em fazer uma biografia porque isso exigia trabalho e não poderia ganhar muito dinheiro. Eu também não era muito conhecido no meio naquela época, então ele ignorou meus pedidos. Resolvi fazer uma cópia simulada da capa de um livro com uma foto dele e seu nome e enviei para Mike Sexton, que ficou extasiado com a capa. Stu tinha acabado de perder um torneio e quando viu a capa se iluminou como uma árvore de Natal (palavras de Mike) e pensou que era a melhor coisa que já tinha visto em sua vida. A princípio, Ungar concordou em me encontrar em quartos de hotéis sujos, para me contar sobre sua vida desde o início, e as entrevistas se transformaram em conversas. Essa foi a base do livro.

Stu e Nolan segurando o contrato do livro

GT : — Quantas pessoas você entrevistou?

Nolan : — Entrevistei todos que estavam vivos. Localizei a irmã dele, que mora em Porto Rico, e ela me contou algumas coisas interessantes. Conversei com seu meio-irmão, que odiava Stuey, e ele me contou algumas coisas, mas percebi que mesmo décadas depois ele ainda estava amargo. E claro falei com a filha dele Stephanie, que tinha apenas 14 anos quando ele faleceu, e com a ex-esposa Madeline, que foi peça essencial e mora aqui em Las Vegas.

GT : — Como vocês dois trabalharam em equipe?

Nolan : — Ele é um grande escritor e também tem um grande nome no meio literário graças ao seu tio Norman Naylor, então colaborar com ele foi a salvação do projeto. Peter ingressou muito depois da morte de Ungar, mas o livro não teria existido se ele não tivesse resgatado o material. Ele merece muito mais crédito do que recebeu.

Peter : — Nolan nunca tinha escrito um livro antes e apesar de ter feito muito trabalho de base, escrever um livro é incrivelmente difícil e ele não seria um dos primeiros a dizer que teve dificuldades com isso. Seu agente sabia sobre mim e meu trabalho e me contratou para pegar a excelente matéria-prima que Nolan havia coletado e dar-lhe uma estrutura mais polida e funcional. Então foi isso que eu fiz. Trabalhando juntos, Nolan e eu fizemos entrevistas adicionais com algumas das pessoas na vida de Stuey, e usando essas entrevistas, juntamente com as extensas fitas das entrevistas de Nolan com Stu, e com conversas contínuas e frequentes com Nolan, dei-lhe o manuscrito em quatro meses. Acho que posso dizer que todos, principalmente o editor, ficaram satisfeitos com o resultado.

GT : — Você viu Stu jogar torneios?

Nolan : — Eu o vi em meados dos anos 90 e minha principal passagem com ele foi na WSOP de 1997, quando ele venceu seu terceiro Main Event. Também compartilhei com ele alguns domingos da NFL, onde fazíamos apostas e depois saíamos para jantar. Para mim, esses são os momentos que mais lembro com carinho: sair, conversar e estar perto de um dos jogadores mais excêntricos da história. Todas as experiências do poker eram secundárias.

Peter : — Eu o conheci no Super Bowl of Poker de 1988 e o entrevistei para uma matéria que estava escrevendo para o Village Voice.

Última foto de Stu, com Nolan, Puggy Pearson e Mike Sexton

GT : — Que feedback você teve sobre o livro quando ele foi publicado?

Nolan : — Os comentários que recebi me surpreenderam. Tenho sido imune à arrogância que acontece tantas vezes no poker e não queria fazer parte disso, por isso deixei o livro e a história falarem por si e, além disso, era a história de Stuey e não minha. Acho que qualquer escritor que tivesse um conhecimento simples de gramática e pudesse coletar entrevistas provavelmente também poderia ter contado a história, porque é incrível e incomum e provavelmente nunca será igualada. O que eu não esperava era que tantas pessoas me conhecessem principalmente por causa daquele livro, mas não dá para prever como as pessoas reagem às coisas.

GT : — Os jovens jogadores que não conhecem a sua história deveriam ler o livro?

Peter : — Acho que os jovens jogadores de hoje deveriam lê-lo. Stuey era um personagem grandioso, e sua história deveria servir como um alerta sobre o que pode acontecer quando você tem seus demônios e permite que seus excessos o dominem.

GT : — Quantos braceletes Stu teria ganhado sem drogas e excessos?

Nolan : — É uma pergunta difícil de responder. É preciso lembrar que naquela época as pessoas não estavam atrás de braceletes de ouro, muitos dos grandes jogadores teriam entre 15 e 20, talvez mais braceletes se tivessem se concentrado nos torneios dos anos 70, 80 e 90. A verdadeira experiência, especialmente durante as World Series of Poker, era a ação paralela nos cash games de high stakes e era isso que a maioria deles jogava. Eles queriam o dinheiro e não estavam tão interessados ​​nos braceletes. Billy Baxter , Doyle Brunson e Chip Reese disseram-me isso e ainda mais tarde lamentaram, até certo ponto, de não terem contribuído mais para seus legados como vencedores de braceletes. Ungar provavelmente se enquadra nessa mesma categoria.

Esse texto foi originalmente publicado pro Kevin Taylor, em inglês, no Gipsyteam.com.

Leia

Peter : — Acho que não há dúvida de que, se não fosse pelo vício em drogas, Stu teria ganhado mais títulos da WSOP. Ele foi o melhor jogador de todos os tempos? Certamente para a sua época, quando estava de bom humor e saudável, ele estava muito acima da concorrência. Ele era um gênio que entendia instintivamente coisas sobre o jogo que foram quantificadas pelos magos do poker de hoje, e acredito que ele teria prosperado hoje se estivesse disposto e fosse capaz de fazer o trabalho duro necessário para competir contra a matemática e os gênios analíticos que povoam os escalões superiores da cena do poker atual.

Americas Cardroom

4.2

Site de poker com excelentes mesas de cash e prêmios milionários

Black Chip Poker

4.2

Uma sala de poker para PC bem confiável

Código
Digite o código na linha "Código de referência":

PartyPoker

4.9

Satélites para torneios ao vivo, software simples e freerolls a cada hora

Cadastre-se usando este link para ganhar os bônus do GipsyTeam:
  • Aumento do bônus de primeiro depósito
  • Aumento de rakeback e em bônus
  • Ajuda com depósitos e saques
  • Acesso a freerolls exclusivos
  • Suporte 24 horas por dia, 7 dias por semana

GT : — Qual foi o papel dos vícios na vida de Stu?

Peter : — Muitas pessoas consideram a história de Stuey trágica, e suponho que seja, no verdadeiro sentido da palavra. Stu era extremamente talentoso, mas incrivelmente falho e, no final das contas, suas falhas levaram à sua queda e morte. Mas, do meu ponto de vista, um personagem trágico é necessariamente nobre e, de alguma forma, não vejo Stuey como particularmente nobre. Acho que ele tinha um grande coração. Ele amava seu enteado e ficou arrasado com seu suicídio. Mas seus problemas de dependência, tanto em jogos de azar quanto em drogas, muitas vezes fizeram com que ele agisse de forma egoísta e sem realmente se importar com os outros. Seu talento não era do tipo que tornava o mundo um lugar melhor, então, pelo menos para mim, é difícil pensar em sua vida como trágica. É triste, com certeza, e as pessoas mais próximas a ele, sua ex-mulher e filha, sofreram muito com sua perda, mas também sofreram com sua ausência enquanto ele ainda estava vivo.

GT : — Como era o relacionamento de Stu com sua filha?

Nolan : — Não posso especular muito sobre o verdadeiro relacionamento privado deles. Stuey sabia que era um pai negligente, mas percebi que ele estava emocionalmente arrasado por gastar todo o dinheiro. Ainda me lembro da vergonha que ela sentiu por não ter conseguido comprar roupas escolares para a filha durante um ano e ter que pedir dinheiro emprestado. Foi uma grande tristeza para ele, que nunca esquecerei. Mas isso também me fez amá-lo como ser humano, em vez de apenas um ícone do poker e do jogo.

GT : — O que você acha do filme “Stuey” que foi lançado em 2003?

Nolan : — Há muitas maneiras de ver a história de Stu, do diretor Anthony Vidmer. Tive muito pouco a ver com o filme além de ser consultado sobre algumas coisas e sou obviamente tendencioso e não quero falar negativamente sobre outro artista e sua visão criativa, mas o filme fez um péssimo trabalho considerando o material que tinha disponível. Por outro lado, considerando o quão pequeno foi o orçamento e as limitações das filmagens, é uma conquista notável ter feito esse filme em primeiro lugar. E ele desenvolveu uma espécie de mini culto aos fãs de Ungar, o que é meio estranho e precioso. Portanto, a resposta é que tenho sentimentos confusos.

Peter : — Nunca vi o filme de Michael Imperioli sobre a vida de Stuey, mas ouvi dizer que não é muito bom. Adoro Imperioli, mas ele não parece o ator certo para interpretar Stu, pelo menos não quem eu escolheria. Graham King comprou os direitos do nosso livro e eu realmente gostaria que ele tivesse me contratado para escrever o roteiro. Ele sabia muito bem a abordagem que teria adotado. Ainda espero que um dia seja feito um filme baseado em nosso livro. Eu acho que como um filme ou série limitada, poderia ser realmente ótimo.

Você pode assistir ao filme gratuitamente no YouTube.

Fragmentos da biografia

Parte do prefácio de Mike Sexton:

Stu Ungar era uma lenda no mundo dos jogos. Ele tinha uma aura e uma mística que chamavam a atenção em cada cômodo em que entrava. Ungar ansiava por ação e apostava em tudo. Tudo o que ele apostava, fosse poker, gin rummy, blackjack (se o deixassem jogar, ele era banido de quase todos os cassinos do planeta porque era bom demais), cavalos, esportes ou golfe, era o melhor de todos. As histórias de Stu Ungar são lendárias.

Fisicamente, Ungar era pequeno; mas mentalmente ele era um gigante. Ele tinha a mente mais rápida que já conheci. Quando se tratava de cartas, Ungar não tinha igual. Ele era um gênio e tinha memória fotográfica. Seu talento era avassalador. Ainda sorrio quando penso em algumas das jogadas que ele fez em grandes torneios, com centenas de milhares de dólares em jogo. E tenho lágrimas nos olhos pensando no que poderia ter sido.

Ungar era conhecido por ser corajoso e agressivo, duas características muito fáceis de citar mas quase impossíveis de exibir no dia a dia. Simplificando, Stuey Ungar foi o maior gladiador da história do poker. Ele assumiu o comando de todas as mesas que jogou e dominou seus oponentes nos heads-up.

As últimas declarações de Stu Ungar a Nolan Dalla:

Tenho medo de ir para o inferno e ser amaldiçoado. Deus me deu um dom que ninguém mais tem. Posso não tê-lo usado corretamente, mas sei que fui abençoado. Não sou uma ótima pessoa, mas o que fiz de errado, fiz a mim mesmo. Ainda assim, sei que magoei outras pessoas ao longo do caminho. Principalmente as pessoas que estão perto de mim.

Sua ex-esposa Madeline deixou uma mensagem para Stu:

Obrigado pela jornada que compartilhamos juntos. Obrigado por me dar nossa amada filha, Stefanie, e por compartilhar meu filho, Richie, comigo e amá-lo tanto quanto eu. Stu, você sempre foi meu apoio nos momentos mais difíceis da minha vida. Acho que o que estou tentando lhe dizer é que você é uma pessoa muito forte em tempos difíceis. Obrigado pelas risadas, que foram tantas quanto as lágrimas. Nossa vida incluiu muitas surpresas e decepções, muito dar e receber e muitas recompensas. Uma última coisa: você sempre me disse que eu fui uma ótima mãe, e quero lhe dizer que você foi e ainda é um ótimo pai.

Sua filha Stefanie também lhe dedicou algumas palavras:

Embora meu tempo com meu pai tenha sido breve, ainda aprendi muito sobre a vida com ele. Sua honestidade, lealdade e compaixão pelos outros deixaram uma grande impressão em minha vida. Só espero que todos que lerem este livro não apenas aprendam sobre a vida de meu pai e todas as suas realizações, mas também aprendam com seus erros.

Pessoalmente, acho que é a melhor biografia de um jogador de poker que já li e recomendo fortemente a leitura. Você pode encontrar o livro nas versões papel, digital e audiolivro na Amazon, onde possui nota 4,6 em 5.

Suporte GipsyTeam
Vamos ajudá-lo a resolver qualquer assunto em relação ao poker
Trabalhamos 24 horas por dia , sem folgas ou feriados
Responderemos em até 10 minutos
  • Mais rakeback e bônus exclusivos
  • Ajuda com depósitos e saques
  • Acesso a aplicativos móveis
  • Resolvendo problemas com contas
  • Suporte técnico
  • Dúvidas sobre o site e o fórum