(Nota do editor: Essa entrevista foi feita em fevereiro de 2022 e compilada por Kevin Taylor)

– Yuri Martins, olá, melhor não tentar falar seu sobrenome.

– Haha – é Dzivielevski (Ziv-E-Le-Ski). Este é um sobrenome polonês, e lá seria Dzhivilevsky (Div-E-Le-Ski).

– Você tem raízes polonesas?

– Sim, a vovó é de lá. Mas eu e meus pais já nascemos no Brasil, então não há quase nada que me ligue à Polônia.

– Há alguns meses você se tornou embaixador do partypoker . Você joga poker há muito tempo, já sonhou com algo assim, ou podemos dizer que conseguiu esse papel por acaso?

4.9
Uma das empresas líderes de mercado no poker on-line, com jogos 24 horas por dia, 7 dias por semana e limites que vão de $0,01/$0,02 a $50/$100. Dispute jogos rápidos (Fast Forward) e torneios com uma premiação aleatória (Spins), em que você pode ganhar até $1.000.000 em questão de minutos.

– Há 12 anos, quando comecei a jogar, um contrato com uma sala era o maior sonho de qualquer jogador. Mas jogava micro-stakes e não conseguia sequer pensar seriamente em patrocínio. Depois apareceram os streamers e conseguir um contrato ficou ainda mais difícil. É óbvio que as salas estão interessadas em streamers e figuras públicas. Sempre quis isso, mas entendia que era quase impossível. E agora, quando o partypoker de repente me ofereceu um acordo, fiquei muito feliz e concordei imediatamente.

– Você já conquistou o primeiro lugar no ranking de jogadores online muitas vezes. A primeira vez que isso aconteceu foi há muito tempo. Conte-nos como você começou a jogar poker

– Comecei a jogar muito cedo, aos 16 anos. Mas foi mais um aprendizado. Comecei a jogar com dinheiro real quando fiz 18 anos e me tornei profissional quase imediatamente. Tínhamos uma família muito pobre, então comecei a jogar para sustentar meus pais. Subi para o primeiro lugar no ranking PocketFives pela primeira vez em 2014. O engraçado é que não me esforcei nem um pouco para isso, porque nunca entrei no site, meus apelidos nem estavam lá. Mas aí tive um período de muito sucesso, em seis meses ganhei muito e resolvi conferir onde estava. E depois da próxima atualização me vi em primeiro lugar, nem acreditei na hora.

– Como surgiu o seu nome online "theNERDguy" ?

– Quando eu era jovem, gostava de grafite; tínhamos uma equipe chamada Nerds. Quando precisei inventar um apelido no poker, aos 18 anos, não consegui encontrar nada melhor. Ficou engraçado, não pareço um típico nerd, mas o apelido combina comigo porque adoro estudar.

– Minha esposa também é brasileira e a família dela ficou muito preocupada quando descobriu o que eu estava fazendo. Como reagiram seus entes queridos quando você anunciou que se tornaria profissional?

– No início, tratei o jogo como entretenimento. Gostava de ler artigos sobre poker e aprender algo novo, mas não considerava o jogo uma forma de ganhar dinheiro. Apenas brincando com amigos. E quando fiz 18 anos, meus pais não tiveram mais escolha, pois me tornei o principal ganha-pão da família. Então eles se apaixonaram pelo poker, mas mamãe ainda sonhava que eu terminasse a faculdade. Esta ainda é uma geração completamente diferente. Minha irmã se tornou médica, meu irmão também fez ensino superior, só eu não me encaixo nessa fila. Comecei a jogar para sustentar minha família e, quando as dificuldades financeiras acabaram, já havia ganhado tanto que seria uma estupidez desistir e ir estudar.

– O poker é muito popular no Brasil hoje, mas nem sempre foi assim. Quando você começou, havia uma atitude negativa em relação a ele? Como você decidiu fazer disso sua profissão?

– Quando cheguei a um clube de poker perto de minha casa, percebi imediatamente que pessoas que não sabiam jogar estavam ganhando lá. Obviamente, eles nem suspeitaram que o jogo poderia ser estudado. Comecei a jogar torneios ao vivo, joguei muito tight e ganhei muito. Online também percebi imediatamente que poderia ganhar dinheiro. Naquela época, se você soubesse algumas coisas básicas, poderia jogar e ter lucro e, com um conhecimento um pouco mais avançado, poderia ganhar de forma decente.

– Agora a atitude em relação ao jogo melhorou visivelmente, mas ganhar no poker tornou-se muito mais difícil. O que você diz aos jovens jogadores que procuram você em busca de conselhos?

– Eu estou dizendo a verdade. Não estou me gabando dos meus sucessos, o Brasil ainda é um país muito pobre e não é seguro. Explico que não existe dinheiro fácil no poker, mas você pode alcançar o sucesso se trabalhar muito e se dedicar ao jogo. O problema é que quase todos os jovens brasileiros com quem converso querem ganhar muito logo de cara. Aparentemente, o poker tem essa imagem – dinheiro rápido e fácil. Esses jogadores adoram culpar a má sorte pelos seus fracassos. Ninguém dá ouvidos à variância e, nos torneios, ela é ainda mais forte do que suspeitamos. Para mim, o poker é uma escola, como a vida. Graças ao jogo, aprendi a aceitar com calma os fracassos, o que também é muito difícil de entender para muitos. Definitivamente, não estou fingindo que o poker seja algum tipo de atividade elegante e glamorosa onde você pode ficar rico imediatamente.

Notei também que por alguma razão muitas pessoas pensam que o principal é chegar aos limites altos, e então o dinheiro fluirá como um rio. Mas nos limites mais elevados, isso só se tornará mais difícil. Se você não está preparado para novos desafios, é melhor ficar na média. Pessoalmente, neste momento, estou passando pelo período mais difícil da minha carreira, quando jogo os torneios mais caros. Mas 12 anos de experiência em jogos me ajudam a manter a calma e a lidar com qualquer situação com dignidade.

– Quantos anos você tem?

– 30.

– Você teve um filho recentemente, isso afetou de alguma forma sua carreira no poker?

– Meu filho tem três anos e minha esposa cuida de todas as tarefas domésticas. Tenho muita sorte com ela. Também estivemos juntos em Las Vegas e pude concentrar-me completamente no poker durante dois meses. E ela ficou sozinha com a criança por 60 dias. Qualquer pai entende como isso é difícil. O papel dela no meu sucesso não pode ser subestimado. Passamos todos os dias antes do início dos torneios juntos e depois dos flighs voltava imediatamente para casa. Nem tive tempo de encontrar meus amigos para jantar. Alugamos uma casa com dois quartos e se chegava tarde ia para o segundo para não incomodar ninguém.

– Você jogava todos os dias?

– Sim, combinamos isso antecipadamente, prometi que no final do ano não haveria poker. E a World Series para nós é como as Olimpíadas para os atletas.

– Você joga todos os jogos, em setembro você até ganhou dois torneios WCOOP em um dia. Você se considera principalmente um especialista em Hold'em ou mixed games?

– Definitivamente em Hold'em. Comecei a jogar mixed games apenas em 2014, quando fiquei em primeiro lugar no ranking do PocketFives. Naquela época foi o melhor ano da minha carreira. Só em 2021, eu superei. Ganhei muito dinheiro, decidi que não iria mais trabalhar todos os dias e reservei um tempo para aprender novos jogos. Foi muito interessante para mim. Decidi começar com PLO e fui jogar $2/$4 cash. Lá eu imediatamente vi como era difícil. Mas não poderia jogar mais baixo, não teria motivação suficiente. Esse treinamento acabou custando caro, perdi 100 buy-ins, depois joguei um pouco e só depois de oito meses comecei a ganhar. Depois disso, aprendi o resto dos jogos. Não havia solvers na época, as informações eram muito limitadas. É por isso que recorri aos treinadores. Tive muita sorte com Omaha, as aulas eram muito caras – £400 ou £500 por hora, mas valeu a pena. Apesar da falta de solvers, meu treinador focou no GTO. Além disso, ele próprio quase não jogava, gostava de resolver jogos, um verdadeiro gênio. Fortes regulares americanos me ajudaram a dominar os jogos com limite. E quando apareceu o software, comecei a estudar muito sozinho, e isso também ajudou em todos os formatos.

Classificação dos jogadores
4.2
Jogadores online
1,000
Bônus de depósito
100% até $2,000
Cliente Mobile
Softwares auxiliares
Outros
Jogadores amadores dos EUA
Rake races regulares
Bônus do GipsyTeam
Ajuda com saques e depósitos
Bônus para jogadores ativos
Classificação dos jogadores
4.5
Jogadores online
1,000
Bônus de depósito
100% até $2,000
Cliente Mobile
Softwares auxiliares
Outros
Jogadores amadores dos EUA
Rake races regulares
Bônus do GipsyTeam
Ajuda com saques e depósitos
Bônus para jogadores ativos
Código promocional GT
Cadastro
Classificação dos jogadores
4.9
Jogadores online
3,500
Bônus de depósito
100% até $600
Cliente Mobile
Softwares auxiliares
Outros
Rakeback alto
Rankings diários
Satélites para séries de torneios em todo o mundo
Bônus do GipsyTeam
Acesso a promoções exclusivas
Pagamentos adicionais para jogadores ativos

– Acho que você concordará que os solvers não são muito convenientes para iniciantes, embora já tenham surgido muitos simuladores com interfaces amigáveis. Que conselho você daria aos jogadores comuns que estão se perguntando como se desenvolver no poker?

– Depende dos objetivos. Alguns querem se tornar profissionais, enquanto outros estão satisfeitos com o papel de amador, jogando com fins lucrativos. Para o segundo que eu recomendaria ler o livro “Exploitative Play in Live Poker” de Alex Fitzgerald. Existem muitas estratégias simplificadas que são definitivamente suficientes para jogos ao vivo. Os amadores não têm tempo para entender o software por conta própria, então precisam de dicas prontas sobre como jogar em determinados spots. É exatamente assim que seu livro está estruturado. Naturalmente, é impossível analisar todos os spots em um livro, mas isso dará uma boa ideia da estratégia geral. Penso que isto será definitivamente suficiente para jogar ao vivo e para micro-stakes, talvez até para limites médios, embora agora o online não sejam tão simples. Entendo que seja estranho recomendar livros de poker hoje em dia, mas gostei muito deste.

Para profissionais iniciantes que já trabalham com software, aconselho o uso de estratégias simplificadas – use sempre um tamanho de aposta de c-bet e assim por diante. Primeiro, você precisa ter um bom entendimento da teoria básica. Como já disse, trabalhar em solvers de Hold'em também me ajudou em jogos com limite. Em Vegas, vejo constantemente erros graves cometidos pelos meus oponentes, e eles se devem justamente ao fato de eles não entenderem os fundamentos do poker e jogarem por intuição.

– A julgar pelo Hendon Mob, você começou a jogar em abril de 2010. Essa foi sua primeira experiência?

– Não, naquela época eu já jogava apenas online há dois anos e experimentei todos os formatos – cash, SNG, e só então decidi pelos torneios.

– Em 2011, você ficou em segundo lugar no evento principal da série BSOP e ganhou $109 mil . Nessa altura, você já tinha um bankroll decente ou foi um aumento significativo?

– Eu já tinha um bankroll sólido. Lembro-me muito bem de como os fields eram fracos no Campeonato Brasileiro naquela época. Eu era o chip leader na mesa final, mas comecei a tiltar e perdi o heads-up para meu amigo. Este foi um dos primeiros torneios da minha vida.

– Conte-nos sobre gerenciamento de banca. Você seguiu regras rígidas, dava alguns tiros em limites maiores, corria riscos?

– Aos 18 anos, perdi todo o meu bankroll, me senti péssimo, dada a situação financeira da minha família. Prometi a mim mesmo que isso não aconteceria novamente. Mas tive sorte de ter passado por isso logo no início da minha carreira e aprendido uma lição útil. Agora, mantenho uma gestão de banca muito rígida, mas tento sempre jogar para mim mesmo. Somente nos torneios mais caros troco ações com amigos. Parece-me que na Europa podemos correr um pouco mais de risco. Se você não tiver sucesso no poker, sempre poderá encontrar um emprego decente. Você não ficará rico com isso, mas poderá levar uma vida decente com uma casa e um carro. Não temos essa oportunidade no Brasil, nem imagino o que faria se não fosse o poker. Ao longo da minha carreira, poupei dinheiro constantemente, por isso só 12 anos depois é que passei para os high stakes.

– Em 2019 você ganhou seu primeiro bracelete , conte-nos sobre isso.

– Naturalmente, fiquei feliz, nem poderia sonhar com isso. Não jogo poker por troféus, mas eles são sempre legais. Acho que na minha velhice lembrarei desses momentos com prazer. E este torneio pareceu ter sido criado especialmente para mim porque são Stud Hi-Lo e Omaha Hi-Lo. que considero os meus melhores jogos com limite.

– Nesse mesmo ano você ficou em 28º lugar no Main Event.

– Muita gente fala que o evento principal tem uma energia especial e concordo plenamente com isso. Isso é especialmente perceptível nos primeiros dias, quando as pessoas brilham de felicidade por terem a oportunidade de jogar tal torneio. Acho que todo jogador sonha em ir longe no Main Event. Joguei sozinho e cheguei às quatro últimas mesas, toda a família torcia por mim, mas no final não deu certo.

– Você caiu em um cooler?

– Sim, eu tinha 12bb sobrando, o que é muito pouco para o main, recebi e encontrei .

– Em 2020, você ganhou um bracelete online, e em um torneio para 4.356 pessoas. Como você pôde vencer tantos oponentes?

-- No primeiro dia, não prestei atenção nessa mesa; estava em algum lugar no canto mais distante da tela. Aí chegamos ITM, comecei a ficar animado, comecei a acompanhar a ação mais de perto e entrei na mesa final como chip leader. Tive a sorte de ter havido uma pausa de uma semana antes da mesa final e consegui preparar-me bem. Faz muito tempo que não jogo torneios de Omaha e não sabia como construir ranges dependendo do ICM, mas consegui preencher muitas lacunas.

– Quantas mesas você costuma jogar?

– Agora só jogo torneios caros, então normalmente tenho de 6 a 8 mesas abertas. Tento jogar apenas aqueles torneios em que consigo me concentrar 100%. Não adiciono mesas por questão de espaço na tela e simplesmente não me inscrevo em um torneio que não me interessa. Essa abordagem tem outra vantagem. Quando o solver apareceu pela primeira vez, descartei imediatamente toda a minha experiência anterior e tentei copiar completamente os solver. Eu não recomendo ninguém fazer isso. Agora, lembrei-me novamente da minha intuição e isso teve um efeito positivo nos resultados. Naturalmente, continuo trabalhando em solvers todos os dias; gosto ainda mais do que de jogar. Mas procuro me equilibrar, para não jogar tantas mesas.

– Eu vi você várias vezes com um violão. A música ocupa um lugar especial no seu coração?

– Agora é só um hobby. Mas houve um tempo em que tocava em bares por dinheiro. Estudei violão seriamente e até tive aulas de canto, mas isso foi há muito tempo. Agora só toco para amigos.

– Conte-nos qual é a situação atual do poker no Brasil.

– Todos os jogos de aposta online estão numa área cinzenta. Mas o poker é incrivelmente popular, como pode ser visto em qualquer série importante. Parece que o poker será legalizado em breve, mas não tenho certeza se será bom, muito pelo contrário. Não temos cassinos ao vivo, mas existem enormes clubes de poker onde tudo é organizado a um nível muito decente.

O poker no Brasil
Leia
Leia

– Eles te reconhecem por lá?

– Em torneios, o tempo todo. Os brasileiros amam muito o poker Em Las Vegas conversamos com Niklas “Lena900” Astedt, e ele admitiu que até ele recebe constantemente mensagens de fãs brasileiros. Isso mesmo, ele é uma verdadeira estrela aqui. Eu disse a ele que se algum dia ele vier para o Campeonato Brasileiro, ele simplesmente não conseguirá sentar; toda mesa vai querer tirar uma foto com ele. Temos um relacionamento especial com os jogadores aqui, mesmo em Vegas não existe isso. Lá, eles podem me parar para trocar algumas palavras, mas no Brasil, jogadores famosos são tratados como verdadeiros ídolos. Mas eu até gosto disso.

– O que você faz nas folgas do poker?

– Em Las Vegas, depois dos torneios, gosto de tomar um bom vinho no jantar com minha esposa. Em casa surfo, toco violão ou jogo xadrez.